PARA DAR FREIO AO GENOCÍDIO NEGRO, FORA, BOLSONARO! 29 de Maio nas RUAS!

Foto: Fernando Madeira
  • PELO FIM DO RACISMO NA VACINAÇÃO!
  • VACINAS PARA A POPULAÇÃO NEGRA, PELO SUS!
  • PELO FIM DO RACISMO, DO GENOCÍDIO NEGRO, DA VIOLÊNCIA POLICIAL!
  • POR JUSTIÇA POR MIGUEL!
  • CHEGA DE CHACINAS! SOLIDARIEDADE ÀS FAMÍLIAS DAS VÍTIMAS DO ESTADO!  
  • PELA MEMÓRIA DE ÁGATHA, DOS MENINOS DO CABULA, EVALDO, BETO FREITAS, JOÃO PEDRO, MICHAEL, RYAN, BREONNA E GEORGE FLOYD!

NEM BALA, NEM FOME E NEM COVID. O POVO NEGRO QUER VIVER!  

Negros, favelados, pobres em todo o país não tiveram direito ao isolamento social. A gestão genocida da pandemia deixou a maior parte da população exposta ao coronavírus. Negras e negros foram as pessoas mais contaminadas, as que menos tiveram acesso a tratamento, e parcela majoritária das que morreram pela doença. 

Hoje, caminhamos para um número assustador de 500 mil mortes, fora as subnotificações e as pessoas que desenvolveram sequelas em razão da doença. No atual cenário de poucas doses de vacinas disponibilizadas, ante a irresponsabilidade do governo Bolsonaro que deliberadamente decidiu não vacinar a população, a população negra é menos da metade do universo de vacinados – mesmo sendo maioria da população.

Em 2020, primeiro ano da pandemia, as polícias de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Pernambuco bateram recorde de mortes promovidas por policiais. Há um ano, organizações negras, periféricas e de favelas convocaram protestos em frente ao Palácio Laranjeiras e depois na Avenida Rio Branco, no Rio, em razão do assassinato do menino João Pedro, de 14 anos, durante uma operação conjunta das polícias Federal e Civil, no Complexo do Salgueiro.

Depois disso, o Ministério Público Federal recomendou a suspensão de operações durante a pandemia da Covid-19, que foi confirmada por decisão do STF, pouco tempo depois. Mesmo assim, as operações policiais em todo o Brasil continuaram. A polícia continuou matando negros. 

O massacre do Jacarezinho, com o assassinato de 29 pessoas negras presas, julgadas, condenadas e exterminadas, num só ato pelos policiais, mesmo diante da proibição da suprema corte, é a prova de que o Estado está ocupado por governantes organicamente ligados às milícias de extrema direita em diversos níveis, desde câmaras municipais, passando por governos de Estado e chegando ao Palácio do Planalto.

“Neste momento, em que diferentes setores se unem em defesa da democracia contra o fascismo e o autoritarismo e pelo fim do governo Bolsonaro, é de suma importância considerar o racismo como assunto central”, conforme afirmado pela Coalizão Negra Por Direitos no manifesto “Enquanto houver racismo, não haverá Democracia”, de junho de 2020.

No dia 12 de agosto de 2020, a Coalizão Negra Por Direitos protocolou pedido de impeachment em enfrentamento aos crimes de responsabilidade cometidos por Jair Bolsonaro, somando-se aos 55 pedidos de impeachment protocolados na Câmara Federal contra o presidente. 

Em 18 de fevereiro, organizamos uma ação nacional em defesa de vacinas para todas e todos, pelo SUS, e por auxílio emergencial de R$ 600 até o fim da pandemia. Mobilizações de rua aconteceram em todas as regiões do país com o protocolo de requerimentos e Projetos de Leis nas câmaras estaduais, municipais e distritais. 

No último 13 de Maio, Dia Nacional de Denúncia Contra o Racismo, apesar da tentativa de invisibilidade de alguns setores, a Coalizão Negra Por Direitos convocou a sociedade para as ruas e promoveu a maior mobilização nacional desde o início da pandemia, com protestos em todas as capitais do país.

A crise social que se aprofunda na pandemia tem como alvo, uma vez mais, o povo negro e pobre brasileiro. A falta de incentivo e de políticas públicas gera desemprego em massa, aumento da pobreza e da miséria e faz explodir a fome. Mais da metade da população brasileira, hoje, não sabe se vai comer ou como alimentará seus filhos amanhã. 20 milhões de pessoas já passam fome. Vivemos um cenário de guerra.

O governo Bolsonaro leva às últimas consequências a natureza genocida do Estado brasileiro. Não há alternativas: é preciso ocupar as ruas!

Na verdade, a população negra não saiu das ruas durante a pandemia pela necessidade de trabalhar, buscar o pão e o sustento de suas famílias, superlotando ônibus, trens e metrôs para servir àqueles – de maioria branca – que tiveram o privilégio de se isolar e garantir suas vidas. Ocupamos as ruas em protestos em toda a pandemia, sobretudo, em denúncia contra a violência e o racismo.

Agora, mais do que nunca, tomaremos as ruas, também, para lutar pelas nossas vidas! 

Para dar freio ao genocídio negro, FORA, BOLSONARO!

Exigimos: 

  • FORA, BOLSONARO!
  • JUSTIÇA POR MIGUEL.
  • Fim do racismo na vacinação e ampla cobertura vacinal.
  • Vacinas para todas e todos pelo SUS.
  • Retorno imediato do Auxílio Emergencial de, ao menos, 600 reais mensais, até o fim da pandemia e consequente aprovação de uma renda básica permanente, sem prejuízo do Bolsa Família.
  • Fortalecimento dos benefícios de Prestação Continuada. 
  • Atendimento a todos os protocolos de proteção determinados pela Organização Mundial de Saúde enquanto perdurar a pandemia.
  • Erradicação da política genocida do governo contra a população negra e indígena.
  • Fim da Emenda Constitucional 95 que retirou investimentos da saúde e provocou o sucateamento do Sistema Único de Saúde (SUS) – perdemos R$ 18 bilhões de investimentos em 2019.

#FORABOLSONAROGENOCIDA

#CoalizãoNegraPorDireitos 

#NasRuasPelaVida

#Enquantohouverracismonãohaverádemocracia